Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Curiosidade Feminina

Nasci, cresci e tenho cá um feeling de que um dia vou morrer ;)

Curiosidade Feminina

Nasci, cresci e tenho cá um feeling de que um dia vou morrer ;)

28
Out16

Coisas #6

Nay

Aquele momento em que vou no carro com MQT e passa uma música na rádio, que é o toque no meu telemóvel quando ele me liga.

Apressadamente procuro o telemóvel e vejo que não estava a tocar.

Desato a rir quando me apercebo do fiz!!!

Vou deixar-vos assimilar 

f44ef9f3144f00d770c86617fc8ed716.jpg

 

26
Out16

Ó Boa!!!!

Nay

 

 

Quando dizem que as mulheres não são assediadas, que somos é paranóicas, apetece-me sempre gritar algo do género "És muita parvo o que te vale é esse rabo" ou ainda "Calado és tão lindo!" (para provarem um pouco do próprio remédio).

 

A verdade é essa, nós somos constantemente importunadas e objectivadas. Já me disseram que é uma coisa cultural, tradição portuguesa, se calhar é mas bem vistas as coisas eu nunca fui de tradições.

 

Às vezes imagino como será ir na rua e seguir o trajecto planeado, sem estar a pensar que será melhor atravessar a rua porque lá à frente estão uns caramelos que de certeza vão emitir uns grunhidos dignos de homem das cavernas.

 

"Ah e tal mas até te deves sentir bem" ou ainda "Se calhar entendeste mal ou fizeste algo que lhe deu essa ideia", esta pérola meus amigos foi dita pela minha colega trabalho depois de eu agarrar nas minhas coisas e dizer que me ia embora pois tinha acabado de ser assediada pelo patrão (felizmente ex-patrão)

Mais tarde, essa colega,  veio dizer "se calhar tinhas razão". Claro que tinha razão, ainda sei o que é um agarro forçado com tentativa de beijo, mas ela só acreditou quando se veio a saber que ele fez o mesmo com a mulher do sócio, a cabeleireira da esposa...  

Mas quando as próprias mulheres têm este tipo de pensamento, de culpabilizar as vítimas, faz-me crer que isto não vai mudar tão cedo...infelizmente.

 

Quando decidi escrever sobre este assunto, comecei a analisar os meus dias e realmente acho que até mesmo eu já relativizo muita coisa.

Sim, nós somos assediadas...não, não nos faz bem ego.

Não me faz bem pensar que de calças há menos probabilidades, não me faz bem analisar cada gesto ou palavra para não dar azo aos homens-elásticos (aqueles que se esticam para lá do suportável), não me faz bem atravessar a rua para não ser importunada...

Não me faz bem viver ainda mais condicionada do que o socialmente exigido!

 

Ainda assim vou coleccionado pérolas, aqui ficam duas das mais recentes:

- No meu trabalho dou imensas indicações aos motorista de como chegar às nossas instalações. Um dia, depois de falar com um ao telefone, vou entregar-lhe a documentação e o que ouço "Mas que belo GPS, quero um destes para mim!". 

- A falar ao telefone com um dos nossos comercias, ele acaba de me dar as encomendas e depois "...Queria mais qualquer coisa de si mas agora não me lembro...quer dizer eu sei o que queria mas..."

Really?!?!?

Faz-me lembrar quando éramos miúdos e havia aquela mania de os meninos darem apalpões. A sensação é muito idêntica, são apalpões psicológicos que nos enchem de raiva e vontade de desatar a distribuir bofetadas!

A sério sou só eu que já estou farta disto?!?

Se calhar é a aproximação dos 40 que me anda a diminuir a paciência  

 

 

25
Out16

Carta que nunca te escrevi

Nay

Sabes?! Quando te conheci naquele dia, algures no outono de 95, achei que nunca irias ser meu.

Aquela sensação de algo inatingível, "bom demais para mim" era isso que sentia! (Bem, como sabemos não durou muito, porque tudo se concretizou numa questão de dias mas pronto )

 

Agora 21 anos depois (Raios que isto faz-me sentir velha!!!), quando olho para ti revivo essa sensação...mas bolas, agora és meu e gosto disso, gosto do que isso me faz sentir.

 

Acho que temos uma relação de "tudo em 1".

Há quem se admire de ainda estarmos juntos mas foi uma escolha, a nossa escolha. Nós achamos que valíamos o esforço. (Como se costuma dizer, somos da época em que as coisas se arranjavam e não se substituíam).

Mas eles não sabem... não sabem como as nossas medidas foram feitas para encaixe perfeito, como por vezes críamos faísca ou como muitas vezes roubamos as palavras da boca um do outro. Não conhecem a harmonia que existe entre nós, que flui na nossa família.

Então que temos uma relação que já nos deu desgostos e desilusões mas também muita felicidade e paixão que dura há 21 anos (que ninguém se atreva a dizer que não é possível), amizade e apoio incondicional e... entre tantas outras coisas a alegria da maternidade/paternidade.

 

E isso não se consegue com relações de meia dúzia de anos, consegue-se com o crescer, aprender, lutar e sobreviver juntos. E acima de tudo com o "Querer" e o "Amar"!

Criou-se uma cumplicidade única e nossa.

 

Eu estou a adorar o que construimos, acho que nunca estivemos melhor. Apesar de já achar isso há vários anos e conseguimos sempre superar-nos 

Por isso my loves, com a tua cabeça nas nuvens e os meus pés na terra, vamos duplicar, triplicar o que já de si é magnifico.

 

Sempre e para sempre,

ARAM

12
Out16

Krav Life #3

Nay

transferir.jpg

 

No último treino uma das minhas colegas insistiu que queria pôr o capacete e sentir o impacto do murro do mestre.

E ele fez-lhe a vontade!

Ela foi fazer o ataque de faca e ele defendeu e contra atacou, com cuidado aproveitando apenas o impulso dela.

Ela faz um voo de quase 2 metros e cai de costas no chão. Ficou 1 segundo atarantada, de repente tira o capacete e grita "Bué fixe pah, vocês deviam todos experimentar!!!"

Pois, somos assim meio loucos mas ela é a pior.

Treinei com ela logo a seguir, ataque de facas (é dos piores, os que deixam mais negrões) e ao fim de alguns ataques ela começa a queixar-se do braço.

Nosso dialogo:

Eu- Estás a queixar-te do quê!?!? Tu gostas de violência!

Ela, com grande sorriso - Nota-se assim tanto?!?!? 

Pronto, risota pegada e 30 flexões de castigo.

 

Pois esta é a mesma menina que quando treinamos ataques com puxão de cabelo, ela virou-se para o parceiro e diz "Oh, eu gosto disto!"

 

Nós somos loucos e pagamos para isto 

 

Pág. 1/2

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D